Jean Wyllys é eleito para o terceiro mandato de deputado federal

Em desabafo, ativista LGBT chamou de "hipócritas" parte dos integrantes do PSOL e foi contundente contra Bolsonaro

 

E6118B2C-8285-45C6-BAFB-F05A8DA4D351.jpeg

O deputado federal Jean Wyllys foi eleito para o terceiro mandato de deputado federal pelo PSOL. Jean ficou com a última vaga da bancada fluminense do partido.  Com 100% das urnas apuradas, o ativista LGBT conquistou 24.295 votos. O número é muito inferior ao de sua eleição para o último mandato, em 2014, quando conquistou 144 mil votos. "Serão mais quatro anos de resistência contra o fascismo", disse Jean.

 

Em um vídeo publicado no Facebook na noite deste domingo, Jean fez um desabafo em que não deixou de apontar críticas a integrantes do partido, que ele chamou de “hipócritas”. Na live, Jean disse que foi tratado como "pária" por lutar contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e a liberdade do ex-presidente Lula. "Sofri ataques da esquerda e da direita", disse Jean.

 

"Eu vou continuar defendendo as minorias. Mesmo você bicha, sapatão e travesti que não gosta de mim. Mesmo você que foi atingido pelas fake news e que me detesta por uma série de mentiras. Mesmo você continuará sendo defendido por mim, porque eu defendo você por princípio", desabafou Jean.

 

 Ele foi contundente contra Bolsonaro. Na Câmara Federal, a família Bolsonaro escolheu Jean como seu maior alvo. Em um dos momentos que simbolizaram a votação do afastamento de Dilma, Bolsonaro insultou Jean com xingamentos homofóbicos, que reagiu com uma cusparada.  “Eu cuspi na cara do fascista e, outra vez, se ele voltasse a elogiar torturadores e se ele novamente me insultasse homofobicamente... eu cuspiria de novo” (veja abaixo).

 

Alguns fatores explicam tamanha debandada de eleitores. Neste ano, o PSOL lançou Marcelo Freixo, um dos principais expoentes do partido, à disputa por uma vaga na Câmara. O vereador carioca David Miranda, também LGBT, foi outro a disputar o eleitorado do partido socialista. Freixo foi eleito com mais de 340 mil votos. David ficou de fora.  As diversas candidaturas acabaram pulverizando os votos do eleitor do partido socialista. 

 

 

Leia também: “Não sei o que passa na cabeça”, diz Pabllo Vittar sobre LGBTs bolsominions 

 

 

Na eleição de 2014, a esquerda ainda vivia um namoro firme com o eleitorado. Dilma foi reeleita presidente com Jean como um de seus cabos eleitorais no segundo turno. Desta vez, o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro sai do primeiro turno como o candidato mais votado para o cargo de presidente da República e a bancada de seu partido, o PSL, se tornou  a segunda maior da Câmara. Mas, contra o avanço do conservadorismo, do fascismo,  Jean deixou uma mensagem final.

 

"Eu sou resistência. Meu nome é resistência".

Vídeo: Depois de eleito, Jean Wyllys faz desabafo

Se estiver vendo no celular, deslize os dedos para melhor visualização